Não sabemos rir de nós mesmos

O  humor é uma vertente da inteligência humana. Mas pode ser algo que não possa agradar a todos. Meus amigos virtuais ficaram furiosos ao saber que o Pânico fez troça dos nerds e cosplayers da Comic Con Expirience. A repercussão negativa fez que a organização do evento banisse o programa para sempre. Mas me pergunto, porque estamos tão caretas.

Confesso que faz tempo que não assisto o Pânico. Mas não vou jogar pedra em um lugar-comum em classificar tal programa como a escória da humanidade. Prefiro fazer uma outra análise para o problema que estamos vivendo. Muitas pessoas querem ser levadas a sério, mas perdem o senso de humor.

Lembro de uma cosplayer de Curitiba que ficou irritada comigo no facebook porque tinha comentado no post dela sobre a possibilidade de deste que vos posta de fazer um cosplay do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe só para irritar a China. Desde de então, ela nunca mais quer saber o meu nome.

Os cosplayers e nerds reclamam de preconceitos. Mas existe uma série como The Big Bang Theory que lida com os esteriotipos de pessoas inteligentes e suas neuroses e nem fazem um boicote por isso. O Pânico sabe fazer um humor da turma do fundão de sala de aula. Mas nós temos o perigo de fazer uma patrulha desnecessária

Podemos ter o direito de criticar os exageros do Pânico. Mas vamos ser honestos, nós já rimos de muita coisa feita no exterior que é mais hardcore como o jackass, que é uma fonte de escatologia. Isso mostra que o humor é uma coisa subjetiva por mais que as mulheres famosas odeiam o Pânico porque os maridos gostam de ver gostosas de biquíni.

Temos que aprender a rir de nós mesmos. Temos defeitos e qualidades ao longo da vida. Porque não rirmos das pessoas que não adotam um estilo cosplay ou sermos sarcásticos com os nerds. Está patrulha politicamente correta nos paralisa e assim nunca vamos entender a graça do humor é entender a si mesmo e fazer troça disso.

 

Anúncios

Pânico, Gerald Thomas e a histeria nacional

Ontem, o Pânico (Band) exibiu a polêmica matéria onde o diretor de teatro Gerald Thomas apalpa a panicat Nicole Bahls. A matéria em si é muito engraçada, mas é muito polêmica por ter acontecido um possível assédio sexual. Thomas colocou a sua mão debaixo do vestido de Nicole. Isso rendeu muita audiência em sites de celebridades e blogs que cobrem tv. O Homo Causticus deu a noticia no sábado no post A Semana.

Depois de ver a matéria no domingo. Fui ler os textos de blogueiros e colunistas. A maioria dso textos que antes criticavam a atitude do Pânico e de Thomas antes da matéria ser exibida. Agora, elogiam o diretor e programa por atacarem a caretice que reina neste país. Quando li isso, percebi que vivemos uma era de histéria combinada com hipocrisia nas veias.

Isso mostra que os colunistas, blogueiros e afins não respeitam a inteligência do leitor. O que antes era uma tentativa de abuso sexual virou uma ode contra a caretice da sociedade brasileira. Isso só reforça a minha convicção de não ler noticias de sites de fofocas ou de tv. Qual é a credibilidade de um site desse.  Esse sites são aumentam a histeria nacional que ronda a internet.

Nós fomos massa de manobra de uma brincadeira estúpida feita pelos sites com a sua ansia de produzir mais noticias e ter mais audiência. O brasileiro deveria ter um pouco mais de senso crítico em relação a isso. Mas prefere assistir a uma novela das oito do que fiscalizar a política nacional. Isso é vergonhoso em país que está afã de ser uma potência emergente.

Quando vejo essas coisas, penso que nós deveríamos parar um pouco e pensarmos em nossas vidas e tentarmos melhorar a vida no nosso país. Mas na república do relaxa e goza que é o Brasil. Todo mundo quer ser um porralouca, mas ninguém que ser um careta.

Com a colaboração de Marcelo Salgado Filho.

Panicat Babi raspa a cabeça e meio mundo fica mais revoltados do que nunca.

As pessoas se revoltam facíl com qualquer coisa fútil. Prova disso é o que aconteceu ontem no Pânico (Bandeirantes). A panicat Babi teve a sua cabeleira raspada ao vivo (fiquei um pouco chocado). Bem, muita gente no twitter e críticos de tv descem a lenha no programa por ter apelado pela audiência (fiquei revoltado pelas besteiras proferidas por eles). A própria Babi no twitter escreveu que cabelo não é tudo na vida. Veja, nunca tivemos uma gostosa raspada tanto em cima como em baixo (não pense em besteira leitor). Quer coisa mais punk do que isso.

Imprensa e fâs de Amy Winehouse malham o Pânico da TV

Ontem, o Pânico na Tv mostrou a reportagem em que o Impostor invade o enterro da Cantora Amy Winehouse. Bem, a imprensa desceu a lenha dizendo que eles “maquiaram” a reportagem quando o objetivo era tapear a imprensa internacional. Não sei como eles não tem autocrítica suficiente para dizer que fizeram um grande equívoco. Que maravilha.

Pânico invade o enterro de Amy Winehouse

O impostor do programa Pânico na Tv, Daniel Zuckermam, invadiu o funeral da cantora porralouca inglesa Amy Winehouse. Bem isso foi comemorado pelo diretor do programa Alan rapp e repudiado pelos fãs da cantora nos comentários na internet. Eu não sei se os tais fãs gostavam mais da música ou das confusões que ela aprontava em vida.

Panicats se estranham e vão decidir na justiça invés de porrada.

As panicats Juju e Nicole Bahls se estranharam no Twitter. Tudo porque Nicole desceu a lenha em Juju a acusando de ter feitos trabalhos (leia-se macumba) para derruba-lá. Em resposta, Juju reclamou de preconceito e irá acionar a justiça para resolver a contenda. Porque não usam o Pânico para resolver as diferenças? A audiência agradece.

Lobão desce a lenha em Luan Santana e fãs estão revoltados

Semana passada, o cantor Lobão deu uma entrevista ao programa Pânico, na radio Jovem Pan. Ele desceu a lenha no Restart, Luan Santana (falando que eles são viadinhos) e no sertanejo universitário (aquela bosta). Os fãs de Luan ficaram revoltadinhos e emplacaram nos trending topics a frase “Cala Boca Lobão”. O Homo Causticus está ao lado de Lobão contra os comportadinhos idiotinhas da música brasileira atual.