Estaca zero

Tenho um amigo anarquista chamado Diego. Nós somos os não-alinhados por convicção. Ontem a tarde, ele me perguntou sobre o que eu pensava dos protestos deste domingo. Com a minha sinceridade, disse que se tratava de uma batalha entre esquerdopatas e direitopatas. O Brasil vive uma crispacíon como era descrita a rixa política entre socialistas e conservadores na Espanha pós-franquista. Mas nos esquecemos do debate sobre um projeto de longo prazo para o futuro dessa nação que dorme sob os cantos de país do futuro.

Uma crise política-econômica não se resolve com carnacoxinhas ou fora dilma. Precisamos fazer um debate sobre o futuro do nosso país. Os atores políticos parecem distanciados dos protagonistas sociais com um simples trabalhador, um grande executivo e um modesto intelectual. Entramos naquela frase de Ivan Lessa eternizada nos qaudrinhos gip-gip nheco-nheco do finado Pasquim em que dizia que o povo é fruto da imaginação dos políticos. Estamos em uma estaca zero onde a população demanda respostas.

Se o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) propõem um plano salvador da pátria chamado Agenda Brasil. Porque ele não defende uma medida controversa como a independência do Banco Central. Precisamos ser pragmáticos para não sermos engolidos pelo delírio ideológico que ronda essa nação. A população foi as ruas cansada de tantos escândalos que são piores do que uma novela das 9. Os brasileiros não querem a gritaria dos coxinhas e petralhas. Eles querem soluções para problemas como violência e desemprego.

Isso exige a grandeza e maturidade de uma democracia. A população está tomando consciência de seu papel como fiador de propostas que possam melhorar a vida das pessoas. Ao mesmo tempo que os intelectuais estão analisando este novo fator político que emerge das ruas. Os grandes executivos querem reformas para dinamizar a economia estagnada e permitir uma segurança jurídica aos investimentos que vão criar empregos e fortalecer o setor produtivo que sofre com a ineficiência do governo.

Enquanto estamos voltando para as nossas casas depois de mais uma jornada de protestos para acordarmos amanhã cedo para mais um começo de semana tumultuado. Peço aos brasileiros que possam criticar e questionar si mesmos para termos a dimensão exata do problema que nós vivemos em 2015. Este exercício autocrítico vai nos permitir uma visão sobre qual país queremos para as futuras gerações. Se precisamos adotar um novo pacto social. Temos ter a certeza dos prós e contras que aparecerem em um debate civilizado que tanto necessitamos fazer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s