Adeus Lenin

Todo o país comunista sempre tinha uma estátua de Vladimir Lenin como uma forma de louvar o revolucionário bolchevique. Tais artefatos foram removidos no fim de tais ditaduras. Isso aconteceu na então Alemanha Oriental no filme Adeus Lenin. Uma película que retrata bem está transição entre comunismo e o capitalismo na Europa Oriental no fim da Cortina de Ferro em 1989. Mas a nostalgia dos tempos onde se comprava produtos de baixa qualidade e a burocracia para ter um simples Lada continua.

Se no filme, Alex Kerner tenta manter a sua mãe viva em meios aos traumas da transição capitalista-comunista na Alemanha Oriental prestes a ser unificada com a Alemanha Ocidental em menos de um ano da queda do muro de Berlim. Seu esforço de mostrar uma nação que se fortalecia em meio dos tormentos das revoluções do leste europeu e do avanço dos benefícios e malefícios de uma economia de mercado. Para os devotos do país de partido único e onde a população era beneficiada pelo grande estado de bem estar social.

Mas a falência do estado alemão oriental que mal podia concorrer ao seu inimigo capitalista alemão ocidental era de tal forma que a cidade de Berlim, onde o muro dividiu a cidade por longos 28 anos. Virou uma vitrine das vantagens da economia de mercado como a livre-circulação de pessoas e produtos. Uma das cenas do filme mostra Alex vendo um vídeo pornô em uma locadora que ficava perto de um dos pontos de travessia quando tal construção autoritária caiu como se fosse um castelo de areia.

Para a mãe de Alex, a Alemanha Oriental era o paraíso da ideologia comunista. O berço do mundo igualitário que Karl Marx tanto sonhou e imaginou em seu manifesto comunista. Mas sempre havia problemas como a falta de qualidade dos produtos produzidos em larga escala pelos governos comunistas. O stalinismo estava em pleno declínio. Tanto que a substituição de Erick Honecker por Egon Krenz foi noticiada como uma aposentadoria do que uma renúncia para agradar a União Soviética.

A cena onde uma estátua de Lenin é transportada por um helicóptero em uma avenida onde os BMWs e Mercedes são vendidos como simples carros do que ter um Trabant comunista. Era aquela velha piada do presidente americano Ronald Reagan onde dizia que um Trabant levava dez anos para ser entregue. Alex Kerner reescreveu a história do fim da Alemanha Oriental para ficar mais tempo com a sua mãe enferma para que ela não visse o seu sonho que sempre lutou cair em pedaços.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s