A crise do UMP

A França vive um momento político interessante. A ascensão do extremismo representado pelo Front National põe em dúvida a credibilidade dos socialistas e conservadores. Ainda mais que o partido conservador UMP está vivendo um momento decisivo da escolha de seu novo secretário-geral. A disputa é liderada pelo ex-presidente Nicolas Sarkozy, mesmo com as recentes denúncias publicadas pelo jornal Le Monde, onde o ex-premiê François Fillon pediu a interferência do Palais Elyseé nos processos judiciais envolvendo o político.

Um dos secretários do governo socialista, Jean-Pierre Jouyet atendeu o pedido de Fillon em um almoço no palácio presidencial em junho passado. Isso foi revelado pelo Le Monde nesta semana. Isso cria uma crise política sem precedentes na história francesa. Sarkozy não se pronunciou sobre isso desde que o escândalo foi revelado. Em sua entrevista a rede de TV TFI e a rádio Europe1. O ex-presidente acusou a justiça francesa de ser alvo de uma instrumentalização política.

A disputa pelo cargo de secretário-geral do UMP tem sido acirrada. Tanto que o ex-secretário Jean-François Copé pode retornar ao cargo. Copé foi derrubado após denúncias de financiamento ilegal da campanha de reeleição de Sarkozy em 2012 via a agência de publicidade Bygmalion. Tanto o retorno de Copé e Sarkozy pode criar uma disputa acirrada pelo comando do partido conservador e além de influir na escolha do candidato a presidência francesa em 2017.

As pesquisas de opinião mostram uma clara vantagem ao Front National, que pretende lançar a eurodeputada Marine Le Pen. Sarkozy liderava as projeções em junho. O anunciado retorno do ex-presidente a política tem criado uma onda de rejeição contra a sua pessoa. Copé e Fillon travaram uma disputa ferrenha em dezembro de 2012. Mesmo com a vitória de Copé. Fillon não engoliu uma vitória dessas e aparece determinado a passar o trator em cima de seus concorrentes.

A disputa política de Paris abre as portas do Palais Elyseé. Sarkozy, Fillon, Copé e sem contar Alain Juppé e Hervé Mariton. Cinco políticos conservadores que almejam o controle do UMP para tentar vencer os socialistas nas eleições presidenciais de 2017. A disputa política já começou com escândalos e confusões difíceis de serem contornadas nos próximos meses. Teremos um novembro barulhento por toda a França, que está ansiosa de saber quem vai liderar o UMP em 2017.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s