Ben Bradlee

Agosto de 1974, o presidente americano Richard Nixon renuncia ao cargo após uma série de reportagens do jornal Washington Post revelarem sua participação em operações de espionagem contra o Partido Democrata nas eleições presidenciais de 1972. Isso só foi possível graças a um homem: o editor-chefe Ben Bradlee, que foi capaz de dar apoio aos repórteres Carl Bernstein e Bob Woodward e ao mesmo tempo, conseguir a aprovação de sua amiga e publisher Katharine Graham.

Bradlee morreu hoje aos 93 anos. Mas sua atuação no caso Watergate começou em 1972. Quando o edifício onde ficava a sede do partido Democrata em Washington D.C. foi arrombado por um grupo de ladrões. Isso seria o ínicio da maior investigação jornalística da história. Bob e Carl montaram um quebra-cabeça de dois anos de provas e apurações. Coube a Bradlee dar o apoio em uma investigação tão controversa e problemática para a dona do jornal, Katharine Graham.

Bradlee combinava generosidade, lealdade e firmeza nos momentos difíceis do caso. Todo os jornalistas do jornal americano se envolveram na investigação do caso Watergate. O editor-chefe tinha a missão de aguentar as pressões políticas e editoriais para que uma reportagem fosse publicada a cada edição do jornal. As reportagens do Washington Post foram importantes para denunciar um esquema de sabotagem que tinha a aprovação de Richard Nixon e sua equipe.

Bradlee assumiu o Washington Post em 1968 e em 1971 iniciou uma guerra judicial junto com o concorrente The New York Times contra o governo Nixon na suprema corte para publicar os documentos secretos sobre a guerra do Vietnã. Tais páginas ficaram conhecidas como os Papéis do Pentagono (ou Pentagon Papers). Sua atuação neste processo foi de tamanha importância que mudou os rumos de um conflito em um país distante. Isso forçou as negociações de paz entre americanos e vietnamitas em janeiro de 1973.

Um editor-chefe como Ben Bradlee é lembrado por sua coragem e determinação aos desmascarar um governo tão criminoso como foi de Richard Nixon. A força de um jornalista que deu suporte para que seus repórteres fossem a fundo em uma investigação que poderia arruinar suas carreiras e ao mesmo tempo tornasse lendas de uma profissão sem glamour ou respeito que se tem hoje. O mundo perdeu um grande homem que foi capaz de se tornar fiel aos seus principios. Ele era Ben Bradlee.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s